segunda-feira, 26 de abril de 2010

Pôr-do-sol em Coloral.

Procura-se alguém para escrever,poesias lindas,
Juntos,na cama,olhando o pôr-do-sol.
O quarto é em frente aquele morro.
Lembro da lua cheia naquele morro.
Lembro de brincar naquele quarto.
Dos cuidados...
Me acompanhe até em casa?
Me leve na lua através do balançar daquela rede.

Escreveremos juntos então...
Você me pede algo alegre.
Só sinto saudade ...
E as lembranças me vem a cabeça.
E os sonhos encantados parecem ser reais.
Por que você me remete a tanta pureza?
Você diz: Pra mim você é = a felicidade.
A resposta: Você é proteção, carinho e amizade.

Os sentimentos que moram em seu coração, hoje me protegem,
de toda a aflição,
de todo descontentamento.
Contigo posso sonhar ser um conto de fadas.
Contigo só posso sonhar!
Estais confuso, ofegante e alegre... queria tocar sua alegria.
E juntos faríamos a propaganda da Colgate.
Juntos seriamos a família Doryana.
E seríamos livres como nos comerciais de absorventes.

O que os últimos tempos dizem?
Não é tão diferente como a tempos atrás.
E o que será de nossos tempos à frente...

Será mais uma caminhada até o pôr-do-sol de coloral.

Barbara Teodosio

domingo, 25 de abril de 2010

Merecem coisa melhor... Mas é o que tem pra hoje: suco de tamarindo.

Muitos amigos!
Isto é contra a realidade!
Transcende,
Eu sei... Sabemos.
Alguns bons amigos, alguns maus, porém amigos.
Íntimos amigos...
Aquela intimidade teatral pura e sem julgamentos.
Aquela intimidade teatral de briga de egos e condenações.

Amizade arte!
Amizade mar!
Amizade terra!

Amigos que sentem juntos, que ficam soltos, que moram longe.
Amigos que combinam festas, que estudam nas sextas à noite, que vão ao bar.
Amigos por coisas em comum, por nada em comum.
Amigos que nem se lembram mais... Porém uma vez amigos...um por todos!

E os amigos imaginários...

Aqueles do Bis e do suco de tamarindo,
Aos que filosofam e ao que fofocam.
Por um papo cabeça ou um momento atoa.
Dedico meus sentimentos e loucuras...

(Se você é um amigo é porque conseguiu aguentar firme a tempestade eufórica e enxergar a doce calmaria de meus sentimentos.)

Não peço muito a meus amigos.
Apenas que me cumprimentem com um abraço que represente "que bom te ver".
Desculpem os meus agudos se te dão dor de cabeça.
Por favor me mandem calar a boca, por mais que eu não cale...Nunca desistam de mim.
Com licença mas sabe aquelas gracinhas sem graça...Não foi por mal.
E se precisar peça colo, não é preciso ficar só, eu estou aqui pra isto mesmo.
Muito Obrigada por tudo.

Eu to mal e ele sabiamente diz: "Vamos dançar".
Eu dancei.
Amigos porém estamos num passo a dois.

Barbara Teodosio.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Conhecido desconhecido

Conhecido desconhecido...

Após tanta ação, tantos discursos, tudo isto.
Não me percebeu!
Não assistiu minhas cenas as improvisações.
Não escutou a música doce dos meus beijos...O som forte do desejo.
Não conseguiu apreciar a escultura única e imperfeita de minhas formas.
Não reparou
Como pôde ser tão insensível?
Ou um tapado ou um canalha?
Não conheci!

Adoraria ouvir suas histórias...
Mesmo aquelas que se repetem a cada nova mocinha.
Adoraria namorar seu personagem clichê, e com ele fazer uma comédia romântica.
Eu palhaço você farsante e os absurdos destinos!
Adoraria não me importar e ir a sua casa hoje à noite...
Conceder-te aquela dança da chuva.

Seu personagem é mistério...incógnita.
Distorcendo as palavras e significados.
Formando um som agudo que dá gastura, que corta.
Seu blues me diz tchau em deboche!
O meu papel é previsível e clássico...
A princesa que constrói castelos.
O Pierrô que faz graça para sua Colombina.
E acabo num monólogo deprimente e fatigante.

Querendo seus olhos vazios e calmos.
Desejando suas mãos posta a minhas.
Guardo estas imagens em retratos:
Sentados num chão qualquer ou escada,
Aquele toque que tentava aquecer meus braços de madrugada,
Em sua cama deitados olhando em silêncio,
Sua imagem em arte, tocando aquele rock psicodélico.

E no fim o que fica? um the end comum.
Desculpe-me nossa história foi sem emoção.
Não será um sucesso popular nem ganhará milhões em bilheterias.
Não terá importância no mundo, só no meu que é da lua.
Já no seu,
Não sei.
Meu conhecido desconhecido.

Barbara Teodosio.

sábado, 17 de abril de 2010

MUSICA: Duo Siqueira Lima

video

quinta-feira, 15 de abril de 2010

"Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros."Che Guevara

Nos nervos

Sou vira-lata, vira-lixo!
Não aprendi a fingir de morto...
Antes prefiro à morte verdadeira.
Não sei calar, quando me dá volúpias de gritar.
Faço barulho, um panelaço!
Não me pise, senão eu lato.
Não aprendi a dar à pata, mas sei mostrar os dentes!
E quando a arrogância me revela a cara,
quando o poder me mostra a força,
quando a mentira retira a máscara,
me incomoda...
Me dá nos nervos!
Eu viro a lata, remexo o lixo, cutuco a casca.


Barbara Teodosio

segunda-feira, 12 de abril de 2010

"A parte boa dos livros abertos, é que neles as pessoas podem ler suas histórias e com elas se encantar, porém estas mesmas pessoas, podem rasgar suas páginas e riscar as frases mais belas e sinceras."

domingo, 11 de abril de 2010

Um homenzinho


Era uma vez um homenzinho, tão pequeno quanto seus sentimentos, na verdade não tinha tamanho nenhum. As pessoas lhe perguntavam como era não sentir? Ele não respondia a alguém, e continuava sua caminhada sem sentidos. Como disse, ele não sentia, não sabia dos sabores nem dos cheiros. Não sabia e por isto não sofria, sofrer é para os que muito sabem, os que muito sentem. Terminarei esta história por aqui. Não vale a pena falarmos de uma vida tão sem sentido.
Barbara Teodosio
Imagem: David Blazquez
TOTALMENTE CONTRA A COISIFICAÇÃO DO HUMANO!!!

sábado, 10 de abril de 2010

História da terra e do mar

Eu sou a terra, você é o mar.
Tu sabes exatamente como sou terra!
Com minha certeza, com minha verdade.
E eu sei exatamente porque tu és mar.
É mar com sua brisa boa...Com suas pancadas avassaladoras!
...As minhas águas doces só desaguam em ti...
Meus olhos sempre invejaram suas ondas,
E as copiava tentando moldar as montanhas com os ventos,
Mas a montanha nunca teve o movimento...A vida de suas ondas.
Eu sou uma terra fértil que lhe dará bons frutos.
Que lhe dará carinho.
Que lhe dará uma sombra, um lugar de paz.
Você é um mar distante, que me dará saudade...
Me dará o mistério do horizonte.
Me dará poesia...
E sonharei com minhas águas desaguando em suas águas.
E me encantarei com esta história
Bela e delicada.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

"O maior faz de conta é acreditar nos finais felizes".

Barbara Teodosio num papo com Junior chega a esta conclusão, que não conclui nada de novo. E acreditamos em finais felizes mesmo sabendo que é tudo faz de conta...e lembrando o único fim realmente é a morte.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Brilhinho do MSN

Todo dia na espera daquele brilhinho do msn.
Hoje não é mais brilho nos olhos, porque nestas destas tecnologias, as pessoas não se olham mais, a não ser em fotos de perfís.
E poesia contenporânea é assim tem que falar de coisas atuais, mas sem sentido nenhum, o mundo atual é sem sentido mesmo.
Ainda bem que a poesia é livre das concordâncias porque nestas mudanças da língua eu estou meio perdida, e nunca fui de concordar.
Você esta ocupado agora, porém para mim parece ausente mesmo.
Desculpe li todos os seus recados, pois meus ciumes são possessivos.
Tentei te desvendar por meio das suas comunidades.
E busquei em seus depoimentos segredos íntimos que nunca me contarás.
Descobri o seu signo, time e idade, que na verdade não me diz nada. A não ser que não somos compatíveis, que somos rivais, e que a hora é errada.
Bom depois de um dia inteiro de nada, vou ficar só mais um pouquinho a esperar p brilhinho do msn.
Até o sono chegar...
Brilhou!
Mas não foi você...
Foi um alguém qualquer...
Pra falar besteiras qualquer...
Conversamos... e assim o sono veio.

Barbara Teodosio

segunda-feira, 5 de abril de 2010

FOTOS: Um dia chuvoso...pedaços de coisas antigas e empoeiradas...
















Bebedeira balanço

Entre o ir e vir do balanço,
a melancolia apodera-se do meu ser.
O vento bate em meu rosto
sussurrando o silêncio entre as palavras ditas.
O balançar é como o ninar,
acolhe-me...
Forço as pernas e a cada ida e vinda subo!
Seguro fortemente a corrente e...
Bambeio...Devaneio...
Desejo voar alto, encostar na lua.
O enjôo bate.
As correntes rangem.
E a poeira levanta sobre meus pés.
Salto no ar e sigo em zig e zag...
O tempo da brincadeira já se foi e amanhã é segunda-feira.

Barbara Teodosio

domingo, 4 de abril de 2010

Eu - Personagem.

Anseio ser outro ser, diferentemente igual a mim.
Quero transformar a intensidade deste momento em algo além...
Este momento será maior que o seu verdadeiro valor.
(Muitas coisas são maiores que o seu valor!)
É só imaginação...
Preciso experimentar um porque diferente, neste meu sentimento.
Necessito de um personagem para libertar o grito preso na garganta!
Irei dar vida a este sentimento, e mascará-lo, mentindo ser outra.
Odeio mentiras, a não ser as de faz de conta.
Faz de conta que importa!
Faz e conta esta história, bem maior...sem a simplicidade de ser real.
De ser doida!
De ser sentida!

De ser mentida!
De ser louvada!
BarbaraTeodosio